pt language
lock_openLogin / Registe-se
view_list
Ver como lista
view_module
Ver como cartões

euro_symbol€ 40.000 - 60.000 Base - Estimativa

gavel€ 105.000Vendido

2014 Leilão 157 - Lote 581

Contador
Lusíada - Arte Namban, madeira integralmente revestida a laca negra, gaveta central "Pórtico classicista", decoração com incrustações de madrepérola e pinturas a ouro "Motivos geométricos - enxaquetados, círculos tangentes e secantes e ziguezagues - e vegetalista - enrolamentos de gavinhas e ramagens de feijoeiro do Japão", ferragens em cobre gravado com restos de dourado, período Momoyama (1573-1615), pequenos restauros, pequenos defeitos, trata-se de um contador com estrutura de gavetas rara uma vez que apresenta uma gaveta central ao alto com «pórtico» relevado, facto que apenas se encontra frequentemente em escritórios ou em contadores de grandes dimensões com tampa de abater. Peças de mobiliário Namban com decorações de «círculos» parcialmente semelhantes encontram-se representados em IMPEY, Oliver; JÖRG, Christiaan - "Japonese Export Lacquer - 1580-1850". Amsterdam: Hotei Publishing, 2005, pp. 121, 124, 126, 150, 169 e 172, nºs 227, 234, 237, 328, 329, 384 e 401. Peças de mobiliário Namban com decorações de «enxaquetados» semelhantes encontram-se igualmente representados em IMPEY, Oliver; JÖRG, Christiaan - "Japonese Export Lacquer - 1580-1850". Amsterdam: Hotei Publishing, 2005, pp. 115 e 200, nºs 207 e 492. Escritório com interior idêntico integrou a exposição "O Mundo da Laca - 2000 anos de História" encontrando-se representado no respectivo catálogo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001, p. 109, il. 2.
Dim. - 32 x 46,5 x 29 cm

euro_symbol€ 25.000 - 37.500 Base - Estimativa

gavel€ 52.000Vendido

2013 Leilão 153 - Lote 858

Saleiro
cristal de rocha, montagem em prata dourada de baixo teor com decoração gravada, saleiro provavelmente produzido em Goa ou outro local do mundo português do Índico, aplicações colocadas possivelmente em Lisboa, séc. XVI/XVII, o presente saleiro apresenta características que nos permitem englobá-lo num conjunto de objectos de «exótica» cuja matéria-prima era proveniente da Ásia - Índia ou Ceilão - e que eram, posteriormente, enriquecidos com aplicações de ouro ou de prata dourada na Europa - Lisboa ou diversos outros centros relevantes cujo mais importante e carismático exemplar é o saleiro com base em forma de elefante que pertenceu sucessivamente à Rainha Dona Catarina de Áustria (1507-1578) - mulher de D. João III - , à princesa Dona Joana de Áustria (1536-1573) - mãe do rei D. Sebastião - e ao Imperador Rudolfo II de Habsburgo (1552-1612), encontrando-se actualmente na Kunstkammer do Kunshistoriches Museum de Viena. Interessante a semelhança da gravação do aro do pé e das duas tiras por debaixo das pegas do presente saleiro com a gravação dos dois aros que descem do recipiente para o sal unindo-o ao elefante do exemplar que pertenceu à rainha Dona Catarina - vd. "Exotica - Os Descobrimentos Portugueses e as Câmaras de Maravilhas do Renascimento", catálogo da exposição realizada no Museu da Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001, pp. 144-145, nº 43.
Dim. - 5 x 6 x 7,5 cm

euro_symbol€ 500 - 750 Base - Estimativa

gavel€ 45.000Vendido

Mensagem